BRINDES PARA COPA

BANNER-DUFRY-BRASIL

Investimento foi de cerca de R$ 100 mil em máquinas para fazer a coleção.
Consultor diz que mercado movimenta R$ 6,4 bi e crescimento é de 20%.

 

Em busca de lucros com o período da Copa, uma empresa de Osasco, na Grande São Paulo, investe em bolsas, sacolas e tatuagens com a temática brasileira.

A confecção começou a usar as cores do Brasil na Copa das Confederações, como uma forma de testar os produtos temáticos no mercado. “A empresa faz confecção promocional, e é muito forte nessa área e nós criamos a linha temática, com o tema riquezas do Brasil”, diz o empresário Jaime Aragon.

Entre os modelos de bolsa que mais chamam a atenção dos consumidores na coleção, há uma em formato de camisa. A empresa também se destaca pelas tatuagens falsas, feitas em poliéster e elastano. Elas parecem uma meia-calça, mas são bem mais resistentes e ficam parecendo tatuagens reais.

Para fabricar as bolsas, a empresa investiu cerca de R$ 100 mil em maquinários novos. “Nós temos uma linha de montagem sendo articulada só pra fazer os produtos com o tema Brasil”, diz.

Os produtos são desenvolvidos por uma equipe de criação. Os desenhos são criados no computador e a impressão é feita por meio de dois tipos de processo. No digital, a estampa é feita no papel e depois transferida para o tecido. Já o silk screen é uma técnica a base de tinta, que usa a tela para a impressão. O método é mais simples, ideal para desenhos com poucas cores.

O tecido já estampado vai para outra área da fábrica, em que é costurado e ganha alças, para virar uma bolsa, ou cordões para as sacolinhas. O modelo é definido conforme o pedido do cliente em meio a dezenas de opções, em tamanhos e cores.

O volume de produção dos artigos brasileiros representa 10% de tudo que é fabricado na empresa, mas o empresário Jaime Aragon já se estrutura para atender a uma demanda bem maior em 2014, quando o Brasil irá sediar a copa do mundo.

“O principal gancho aí é ficar muito, muito esperto para o ano que vem. Então, nós já sabemos que no mês que antecede a Copa e no mês da Copa teremos que estar com o estoque muito bem preparado”, diz Aragon.

O empresário também aposta em novidades. “Nós pretendemos inserir camisetas estilizadas com as cores do Brasil para incrementar essa linha, que já é uma linha bacana, mas nas pesquisas, justamente nós ouvimos, em Goiânia, muito de alguns clientes, que faltou uma camiseta diferenciada”, diz o empresário.

O setor de brindes e produtos promocionais espera um crescimento de 10% nos negócios em 2014. “O mercado hoje movimenta R$ 6,4 bilhões e o crescimento é de 20%. O setor promocional como todo, movimentará mais de R$ 40 bilhões. Em torno de R$ 44 a R$ 46 bilhões”, diz o consultor Auli de Vitto.

 

About Author

admin

Deixe uma resposta